domingo, 28 de agosto de 2016

«Perecível» (Meninas) - Maria Teresa Horta

[V. Lembra-se de ter lido, «dispersivamente», ao longo de muito tempo, por 2015, esta obra de M. T. H., de Nov. de 2014; agora relida no Rugido, em dois dias «contínuos»...]

Recorte de uma das Narrativas, designadas como «Contos»:
[...]
– Onde está a carta que a tua mãe te mandou?
E o seu rosto era de desvario absurdo, absoluto.
A sua voz de estilhaço feria, a sua voz de punhal cortava. Sangrei um pouco por dentro, mas continuei calada.
– Onde escondeste a carta da tua mãe?
Primeiro escondera-a no fundo de um buraco, por baixo de uma das faias, e pusera-lhe uma laje por cima como se se tratasse de uma campa rasa. Supersticiosa, tirei-a e fui dissimulá-la entre o enredo das hastes espinhosas de rosas púrpuras de almíscar, numa das áleas ao fundo do jardim. Mas com medo de que alguém mesmos aí a descobrisse, no seu fundo de húmus e farpas,
comera-a
Era como se não me lembrasse, mas soubesse que a tinha comido. Devagar, engolindo cada um dos pedaços, todas as letras que ela me escrevera. Fora a minha primeira carta de amor, e comi-a. Como se a incorporasse.
– Onde escondeste a carta que a tua mãe te mandou?
– Qual carta?
Sumida, uma voz sumida que soltei trémula fazendo frente à fúria enorme e descontrolada da mulher do meu avô, madrasta que nem era minha e sim da minha mãe, mas que transferira para mim o seu ódio resguardado.
– Estúpida rapariga! Ingrata! A defender uma maluca, uma leviana, que nem sequer lhe liga. Ela deixou-te, largou-te! Ela abandonou-te!

[...]   [transcrição que não respeita os «espaços gráficos»] 

Maria Teresa Horta, «Perecível», in Meninas, D. Quixote, 2014, p, 110

[ver  entrevista, de Dez. de 2014, no DN Magazine]